Deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys desiste de mandato por se sentir ameaçado de morte: veja repercussão internacional e no Brasil

jean wyllys desiste de mandato veja repercussao internacional e no brasil - Deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys desiste de mandato por se sentir ameaçado de morte: veja repercussão internacional e no Brasil

Por G1


O deputado federal Jean Wyllys, reeleito para um terceiro mandato, comunicou nesta quinta-feira (24) que não assumiria o cargo,citando ameaças de morte e difamação. Veja como a renúncia repercutiu na imprensa internacional e entre políticos e entidades, do Brasil e de fora do país:

Reino Unido: The Guardian

"Único congressista abertamente gay do Brasil deixa o país após ameaças de morte", diz jornal britânico — Foto: Reprodução/The Guardian"Único congressista abertamente gay do Brasil deixa o país após ameaças de morte", diz jornal britânico — Foto: Reprodução/The Guardian

“Único congressista abertamente gay do Brasil deixa o país após ameaças de morte”, diz jornal britânico — Foto: Reprodução/The Guardian

O britânico “The Guardian” lembra a amizade de Jean Wyllys com Marielle Franco, vereadora assassinada em março do ano passado. “Sua saída provavelmente aumentará o temor da comunidade LGBT no Brasil de que a homofobia aumente ainda mais sob o governo do presidente Jair Bolsonaro, que ganhou notoriedade por sua evidente homofobia”, diz o jornal.

Estados Unidos: The New York Times

"'Eu preciso permanecer vivo': legislador brasileiro gay desiste de mandato em meio a ameaças", diz chamada do The New York Times — Foto: Reprodução/The New York Times"'Eu preciso permanecer vivo': legislador brasileiro gay desiste de mandato em meio a ameaças", diz chamada do The New York Times — Foto: Reprodução/The New York Times

“‘Eu preciso permanecer vivo’: legislador brasileiro gay desiste de mandato em meio a ameaças”, diz chamada do The New York Times — Foto: Reprodução/The New York Times

Nos EUA, o “The New York Times” destaca o papel de Jean Wyllys na luta pelos direitos LGBT, além das ameaças de morte citadas pelo deputado federal. “Wyllys tem sido alvo de ameaças de morte há anos, mas ele disse que essas ameaças se tornaram mais severas depois que Marielle Franco, uma defensora dos direitos humanos que era sua amiga e aliada política, foi assassinada”, afirma o jornal.

Estados Unidos: The Washington Post

"Legislador brasileiro abertamente gay deixa posto em meio a ameaças de morte", diz o jornal — Foto: Reprodução/The Washington Post"Legislador brasileiro abertamente gay deixa posto em meio a ameaças de morte", diz o jornal — Foto: Reprodução/The Washington Post

“Legislador brasileiro abertamente gay deixa posto em meio a ameaças de morte”, diz o jornal — Foto: Reprodução/The Washington Post

Ainda nos Estados Unidos, o “The Washington Post” lembra dos embates frequentes entre Wyllys e o presidente Jair Bolsonaro, além das medidas de segurança adicionais adotadas pelo deputado após o assassinato de Marielle.

“Wyllys, que foi reeleito em outubro e deveria começar um terceiro mandato em fevereiro, disse que as ameaças de morte contra ele aumentaram significativamente desde que a vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, foi baleada e morta junto com seu motorista em março. Desde então, Wyllys, que representa o Rio de Janeiro, usa uma equipe de segurança”, relata o jornal.

Políticos e entidades

Hamilton Mourão

Hamilton Mourão  — Foto: GloboNewsHamilton Mourão  — Foto: GloboNews

Hamilton Mourão — Foto: GloboNews

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, se manifestou nesta sexta (25) sobre a saída de Wyllys: “quem ameaça parlamentar está cometendo um crime contra a democracia. Uma das coisas mais importante é você ter sua opinião e ter liberdade para expressar sua opinião”, disse.

Ciro Gomes

O ex-candidato à Presidência Ciro Gomes fez um apelo, em sua página no Facebook, para que Wyllys reconsiderasse a decisão:

“Estou profundamente indignado com a situação que leva um jovem parlamentar a não se sentir mais seguro em seu país e ter que ir embora para o exterior enquanto as autoridades brasileiras descambam para a canalhice pura e simples. Mesmo reconhecendo a gravidade de todas as ameaças, faço um apelo, se ainda for tempo, para que Jean Wyllys reflita e decida seguir lutando no Congresso Nacional contra todas essas barbaridades. Muitos resistiremos”.

Janaína Paschoal

Deputada estadual eleita por São Paulo com a maior votação na história do país, Janaína Paschoal comentou o caso no Twitter, afirmando que”quando esse parlamentar noticia que a causa da renúncia é ameaça, penso ser imperioso investigar. Já não é uma situação pontual, atinge a Democracia”, disse.

Luiz Mott

Fundador do Grupo Gay da Bahia — primeira associação dos direitos LGBT do Brasil —, Luiz Mott chamou a desistência de “triste verdade” em post no Facebook:

Rodrigo Maia

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia divulgou nota nesta quinta (24)na qual afirmou que ninguém pode ameaçar um deputado e sentir-se impune:

“Lamento a decisão tomada pelo deputado Jean Wyllys. Como presidente da Casa, e seu colega na Câmara, mesmo estando em posições divergentes no campo das ideias, reconheço a importância do seu mandato. Nenhum parlamentar pode se sentir ameaçado, ninguém pode ameaçar um deputado federal e sentir-se impune”, afirmou Rodrigo Maia na nota.

Dilma Rousseff

A ex-presidente da República Dilma Rousseff se manifestou sobre a saída de Wyllys em posts no Twitter:

S qkZ3xy normal - Deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys desiste de mandato por se sentir ameaçado de morte: veja repercussão internacional e no Brasil
Dilma Rousseff

Guilherme Boulos

Ex-candidato à Presidência, Guilherme Boulos afirmou no Twitter que “o que levou Jean a essa decisão drástica foram sucessivas ameaças e hostilidades. Ele inclusive já havia denunciado às autoridades e à Comissão de Direitos Humanos da OEA. Exigiremos esclarecimentos e punição dos responsáveis. Foi uma vitória da intolerância”.

Marina Silva

Também ex-candidata à Presidência, Marina Silva afirmou em seu Twitter que “é lamentável que o deputado Jean Wyllys tenha que abrir mão do seu mandato por sofrer ameaça de morte. Independente de divergências políticas, a gravidade desse fato exige que a vida de quem é ameaçado seja protegida”.

Rodrigo Janot

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot comentou um tuíte com a notícia da saída de Wyllys com a palavra “inacreditável”:

hm3Pk2iV normal - Deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys desiste de mandato por se sentir ameaçado de morte: veja repercussão internacional e no Brasil
Rodrigo Janot

Comissão Interamericana de Direitos Humanos

A advogada Antonia Urrejola acredita que a saída de Jean Wyllys do Brasil é uma responsabilidade do Estado, que não garantiu sua segurança — Foto: CIDH/via BBCA advogada Antonia Urrejola acredita que a saída de Jean Wyllys do Brasil é uma responsabilidade do Estado, que não garantiu sua segurança — Foto: CIDH/via BBC

A advogada Antonia Urrejola acredita que a saída de Jean Wyllys do Brasil é uma responsabilidade do Estado, que não garantiu sua segurança — Foto: CIDH/via BBC

A relatora da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Antonia Urrejola, disse em entrevista à BBC que a decisão de Wyllys “é muito lamentável. Não é possível que, em um estado democrático, autoridades eleitas não tenham as condições básicas para exercer suas funções. Me parece que a situação de Jean é exatamente uma destas situações em que o Estado não foi capaz de blindá-lo com a proteção requerida”, afirmou. A Comissão é vinculada à Organização dos Estados Americanos (OEA).

Human Rights Watch

Graeme Reid, diretor do programa de direitos LGBT da ONG Human Rights Watch, tuítou reportagem da entidade afirmando que “uma voz para os direitos LGBT é silenciada no Brasil”.

“Em novembro, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos afirmou que Jean Wyllys, um defensor dos direitos LGBT no Brasil, estava em grande risco, e o Estado não estava fazendo o suficiente para protegê-lo. Ontem, ele desistiu do seu cargo no Congresso por temer pela vida”, diz o tuíte.

3a0403e6f9d7f0afee2e46d6fc18e3a8 normal - Deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys desiste de mandato por se sentir ameaçado de morte: veja repercussão internacional e no Brasil
Graeme Reid

@Graemecreid

In November, the Inter-American Commission on Human Rights said @jeanwyllys_real , a defender of LGBT rights in Brazil, was at grave risk & the state was not doing enough to protect him. Yesterday, he gave up his seat in Congress over fears for his life.https://www.hrw.org/news/2019/01/24/voice-lgbt-rights-silenced-brazil 

wp1PnJQQ?format=jpg&name=600x314 - Deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys desiste de mandato por se sentir ameaçado de morte: veja repercussão internacional e no Brasil

A Voice for LGBT Rights Silenced in Brazil

Brazil´s Congress has lost an important voice for the rights of lesbian, gay, bisexual, and transgender (LGBT) people at a time when it is most needed: Jean Wyllys, an openly gay member of Congress,

Na página brasileira, a entidade também afirmou que “nenhum político, da esquerda ou direita, deveria se sentir forçado a abandonar o Congresso por ameaças”:

M MOnKMv normal - Deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys desiste de mandato por se sentir ameaçado de morte: veja repercussão internacional e no Brasil
Human Rights Watch

Nenhum político, da esquerda ou direita, deveria se sentir forçado a abandonar o Congresso por ameaças. A decisão de @jeanwyllys_real é uma grande perda para todos os brasileiros, que têm o direito de ouvir opiniões diversas e expressá-las sem medo. http://ow.ly/krsW30nrWBO 

Associação de Juízes para a Democracia

Em nota, a Associação de Juízes para a Democracia manifestou forte preocupação com a notícia de que ameaças contra a vida Jean Wyllys. Disse que “não há verdadeira democracia sem respeito aos partidos e aos parlamentares de oposição, a suas manifestações, suas opiniões e à integridade física. Qualquer ameaça ou intimidação visando constranger ou calar a oposição deve ser prontamente rechaçada pelas instituições democráticas”.

Anistia Internacional

Em nota, a Anistia Internacional afirmou que “Jean Wyllys teve atuação importante na defesa dos direitos humanos e das pessoas LGBT. Em consequência disso, foi alvo de massivos ataques públicos, intensa campanha de difamação, e ameaças à sua vida. A decisão de abrir mão do terceiro mandato como deputado federal e deixar o país por temer pela sua vida é sintomática do atual contexto brasileiro de supressão do dissenso, de aumento da violência baseada na discriminação de gênero e orientação sexual, de restrição para a atuação de defensores de direitos humanos”.

Cristiane Brasil

A deputada federal eleita pelo Rio de Janeiro Cristiane Brasil também comentou o caso no Twitter: “Será que é Deus ouvindo nossas preces ou mais um chilique pra atrair mídia dessa estrela de esquerda decadente? Vai pra Cuba? Angola? China e Rússia vão querer ele?

Fonte: G1

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: